Ato contra os agrotóxicos e pela vida marca o último dia da 4ªCNSTT

Ato contra os agrotóxicos e pela vida marca o último dia da 4ªCNSTT

Por Ayana Carneiro, da ASCOM/CNS.

 

O último dia da 4ª Conferência Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora (4ªCNSTT), 18, iniciou-se com um Ato Político contra os agrotóxicos e a favor da vida. Uma parte do filme “O veneno está na mesa II” foi apresentado à plenária.

A presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS), Maria do Socorro de Souza, afirmou que o ato político entrou na pauta da conferência considerando que, hoje, os agrotóxicos são os maiores causadores de doenças na população brasileira. Segundo ela, “temos que definir uma posição clara de questionar o modelo produtivo e o impacto dos agrotóxicos na população”.

A agroecologia foi citada por Fábio como um outro modelo de agricultura possível para alimentar saudavelmente a todos. E finalizou sua fala afirmando que “não há como avançar na pauta se não houver uma reforma política profunda. O Congresso Nacional não defende o conjunto dos trabalhadores e a sociedade brasileira”.

Por fim, Geordeci Menezes de Souza, coordenador da Comissão Intersetorial de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora do CNS e coordenador da 4ª CNSTT, colocou que é necessário um maior diálogo entre os trabalhadores urbanos e rurais, “já somos o maior consumidor de agrotóxicos do mundo e o governo brasileiro permite a entrada de agrotóxicos que já são banidos em vários países”. De acordo com o conselheiro, o ato político foi posto na pauta da Conferência para que todos tenham clareza da gravidade do uso do agrotóxico.

O Ato Político encerrou-se com um grito de guerra proclamado por todos da plenária: “A nossa luta é todo dia, porque saúde não é mercadoria!”.

 

Fonte: Conselho Nacional de Saúde



Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado. Seu comentário poderá ser moderado.