Manifesto da articulação de mulheres brasileiras

Manifesto da articulação de mulheres brasileiras

Pelo restabelecimento da ordem democrática!

É pela vida das mulheres! Nenhum Direito a Menos!

Neste 8 de Março as brasileiras, em conexão com os movimentos latinoamericanos e de todo o mundo, promovem atos, protestos e Paralisação Internacional!

 

Por que?

 

Porque não aceitamos viver numa sociedade racista, machista e que concentra riquezas nas mãos de poucos homens brancos gerando fome, desemprego ou subemprego para a maioria da sociedade.

Porque não aceitamos viver numa sociedade em que músicas, novelas, programas de televisão e de rádio humilham as mulheres e incitam o ódio, a violência, o assassinato, o estupro. Não aceitamos que jornais e revistas sigam impunemente tratando as mulheres como objeto, reforçando estereótipos e preconceitos machistas, expondo-as publicamente ou culpabilizando-as pelas violências sofridas. Repudiamos as frases humilhantes e violentas publicadas em mídias sociais, o assédio em mesas de bar, nas ruas, nas casas, no ambiente trabalho, no Congresso Nacional, nas assembléias legislativas e câmaras de vereadores.

 

Porque repudiamos o estupro corretivo e o assassinato de mulheres lésbicas e transexuais, e sua discriminação no ambiente de trabalho. Queremos uma sociedade que respeite o jeito de ser de cada pessoa!

 

Porque nos recusamos a assumir sozinhas a responsabilidade pelos cuidados com nossas crianças e toda a família. O trabalho doméstico é responsabilidade de homens e mulheres, sendo dever do Estado assegurar condições necessárias para o bem estar de toda a sociedade. Não podemos ser penalizadas pela irresponsabilidade de homens e do Estado brasileiro. A superação da desigualdade entre homens e mulheres passa necessariamente por uma divisão igualitária do trabalho de sustento cotidiano da vida, rumo a um mundo emancipado para a humanidade.

 

Porque queremos viver numa sociedade em que as mulheres negras e indígenas, sua espiritualidade, sua cultura e seu território sejam valorizados e respeitados. Não aceitamos a grilagem de terras quilombolas e índigenas.Não toleramos a forma racista como mulheres negras, seus filhos e filhas são tratados/as pelas forças policiais do Estado, gerando o extermínio da população negra, em especial de sua juventude. Os corpos das mulheres negras não foram feitos para serem violados! Jovens negras(os) não são violentas(os) e bandidas(os) como a mídia quer nos convencer todos os dias.

 

Porque que queremos uma sociedade acolhedora, que valorize e respeite as mulheres. Uma sociedade onde o Estado garanta as condições necessárias para a sobrevivência, segurança, liberdade e felicidade de todas as pessoas.

 

Queremos tempo e condições de participar da vida pública!

 

Lutaremos contra a destruição dos nossos direitos, promovida por um governo machista, racista, golpista, LGBTfóbico e corrupto!

 

Porque Somos contra o governo golpista que congelou por 20 anos os recursos para as políticas sociais, precarizando e fechando escolas, creches, serviços de saúde, de assistência social e de proteção às mulheres. Um gorverno que promove o desemprego e a concentração de renda, perdoando dívidas bilionárias de devedores da Previdência e fazendo vista grossa para os lucros que escoam para os paraísos fiscais. Um governo que está trazendo de volta o crescimento da dívida externa e negociamdo tratados internacionais sob o alto preço da perda de soberania, de empregos, de territórios e dos bens naturais comuns. Um governo que vende, a preço de banana, empresas estatais construídas com recursos públicos. Um governo que quer chegar ao extremo de mercantilizar nossa água e nossas riquezas minerais.

 

Repudiamos os projetos de lei que tramitam no Congresso Nacional e pretendem criminalizar o aborto em todas as situações, até mesmo nos casos de estupro, risco de vida para as mulheres e anencefalia fetal.

 

Lutaremos contra o desmonte da Previdência Social que nos priva da aposentadoria!

 

8 de Março não é um dia de comemoração! É um dia de luta! Nós mulheres vamos parar e ocupar as ruas denunciando que o governo que aí está quer destruir nossa nação, nossa dignidade, nossa cidadania! Esta luta é por uma vida plena, com liberdade e autonomia para todas as mulheres.

 

Pelo fim das violências contra as mulheres! Pelo fim dos racismos!

Pelo direito à Previdência Social! Pelo direito ao aborto legal e seguro!

Por uma educação com igualdade de gênero!



Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado. Seu comentário poderá ser moderado.