Flores pela Democracia mobiliza contra a Reforma da Previdência

Flores pela Democracia mobiliza contra a Reforma da Previdência

Flores de papel crepom coloriram o Senado Federal para chamar atenção de senadores, funcionários e visitantes sobre a importância de se informar e pressionar os senadores sobre os perigos da Reforma da Previdência em tramitação na Casa. A ação, organizada pelo movimento Flores pela Democracia, ocorreu nessa quarta-feira, mesmo dia da primeira sessão de discussão em Plenário da Proposta de Emenda à Constituição (PEC 6/2019) que muda as regras da aposentadoria do brasileiro. O texto principal da PEC foi aprovado no dia 4 deste mês na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa.

A ação do coletivo consistiu na entrega das coloridas flores de papel crepom, que vinham acompanhadas de uma pequena mensagem com os dizeres: “Vote contra esta Reforma da Previdência. Ela só irá aprofundar a desigualdade social”. A proposta inicial era entregar os artesanatos diretamente aos Senadores, mas, como a maioria se encontrava em Plenário, a solução foi tentar mobilizar quem passava pelo corredor conhecido como Túnel do Tempo.

Para participantes do coletivo, a reação foi melhor do que esperavam. Muitos servidores e funcionários terceirizados recebiam com prazer as flores. Alguns ouviam sobre os perigos da reforma e prometiam passar a mensagem adiante.


“A entrega das flores é uma forma da gente iniciar o diálogo e furar a bolha nesses tempos tão polarizados”, disse Luiz Bassegio, que veio do Rio Grande do Sul para a ação. “Poucas pessoas se recusaram a dialogar conosco”, concordou Joyce Néia, que veio de São Paulo, com outras nove companheiras de luta. Segundo Maura Araújo, da corrente Fé e Política, da Arquidiocese de São Paulo, as pessoas se sentiam acolhidas quando recebiam as peças.

A reportagem acompanhou a ação (e até distribuiu algumas flores), que era fiscalizada de perto por membros da polícia do Senado. Alguns parlamentares e assessores recusaram as flores. A reportagem conversou com funcionários da Casa, que se mostravam um tanto alheios à discussão ocorria no Plenário da Casa. Eles receberam as flores e disseram que iriam se informar melhor sobre as mudanças na Previdência e também sobre o texto do que está sendo chamado de PEC Paralela (PEC 133/2019), que permite a Estados e Municípios adotarem as mesmas regras previdenciárias da PEC 6/2019, dentre outras medidas.

O coletivo Flores pela Democracia conta com membros do Grito dos Excluídos, CNBB, Pastoral da Saúde, Fé e Política, Rede Jubileu Sul Brasil e Catholic Agency for Overseas Development (CAFD, organização sediada na Inglaterra). Sua primeira reunião aconteceu em maio de 2018, após a prisão do ex-presidente Lula. “A gente queria fazer algo para mudar a situação política que estava se formando”, disse Môniquinha Simões. A solução encontrada foi fazer flores de papel crepom, que são usadas como forma de abrir diálogo com as pessoas.

O movimento se reúne todas as quintas-feiras no Largo da Batata, em São Paulo (SP), das 16h30 às 19h.

As seguintes pessoas participaram da ação:

Môniquinha Simões
Cecília Figueira
Pink Peralta
Dora Sugimoto
Luiz Bassegio
Seiti Takaama
Joyce Néia
Francisco de Filippo
Paulo Bezerra
Sandra Costa
Maura A. Dos Santos
Mônica Lopes



Deixe uma resposta


Seu e-mail não será publicado. Seu comentário poderá ser moderado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.