Cebes e entidades da Saúde repudiam cartilha que quer investigação para abortos nos casos permitidos em lei

No manual Atenção Técnica para Prevenção, Avaliação e Conduta nos casos de Abortamento, lançado no início do mês, o Ministério da Saúde quer mudar o entendimento sobre aborto legal, criminalizando todos os procedimentos. Essa matéria da jornalista Bruna de Lara, do portal The Intercept Brasil, destaca que erroneamente “todo aborto é um crime”.

Nota de repúdio ao Manual de Atenção ao ABORTO – ABRASCO, CEBES, SBMFC, ABEFACO

A Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO), o Centro Brasileiro de Estudos de Saúde (CEBES), a Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC), a Associação Brasileira de Enfermagem de Família e Comunidade (ABEFACO), veem a público manifestar seu repúdio a mais um ataque aos direitos humanos e ao direito à saúde das meninas e mulheres levada à termo pela cartilha intitulada “Atenção técnica para prevenção, avaliação e conduta nos casos de abortamento”. A cartilha publicada em junho de 2022 pelo Ministério da Saúde é veículo produtor de desinformação, inclusive para os profissionais de saúde, que precisam estar bem-preparados e munidos de conhecimentos técnicos e científicos de alta qualidade para prestar a assistência necessária nos casos de aborto previsto por lei. Infelizmente, o mais novo documento do Ministério da Saúde distorce fatos e desrespeita direitos reconhecidos internacionalmente há décadas.

A afirmação de que não existe aborto legal no Brasil é um devaneio inescrupuloso. Há quase um século o aborto está previsto no Código Penal brasileiro: desde 1940 é legal e lícito interromper uma gravidez quando não há outro meio de salvar a vida da gestante, e nos casos de gravidez decorrente de estupro.E, desde 2012, a interrupção da gravidez também é possível em casos de feto anencefálico. No entanto, o novo documento do Ministério da Saúde não reconhece o aborto legal como um direito. Esta normativa empreende, de fato, grande esforço para obstaculizar ao máximo a prática do aborto legal no país e provocar imenso sofrimento às mulheres.

São vários os descalabros do documento: desde o suposto reconhecimento dos direitos patrimoniais de nascituros, a necessidade de investigação policial nos casos de gravidez decorrente de estupro, o não reconhecimento do óbito materno por aborto como um problema de saúde pública. A orientação do Ministério da Saúde é que o profissional de saúde informe à mulher sobre o programa de entrega legal ou voluntária do recém-nascido para adoção, desconsiderando por completo toda a problemática que envolve a adoção no Brasil, principalmente de crianças negras. Obrigar que uma mulher dê à luz a uma criança fruto de uma violência sexual significa legislar a favor do estuprador e ignorar o sofrimento das mulheres.

É urgente avançar na garantia de direitos para mulheres brasileiras, assim como é fundamental reconhecer que estes direitos são atravessados por opressões não só de gênero, como de raça, classe, sexualidade e território.

Pesquisas indicam que óbitos por abortamento representam uma das principais causas de mortalidade materna no Brasil. A maior frequência de desfecho negativo entre mulheres negras e pertencentes a regiões mais empobrecidas do país, reforça a necessidade de atentar para as iniquidades sócio-raciais que marcam o acesso ao abortamento, bem como para a importância de considerar o abortamento legal e seguro como uma questão urgente de saúde pública.

As taxas de mortalidade são apenas a ponta de um iceberg: o número de curetagens pós-abortamento realizadas na rede pública de saúde representa o segundo procedimento obstétrico mais realizado no país, antecedido apenas pelos partos normais, aspecto que aponta para a magnitude do problema.

No Brasil, o aborto legal exige uma verdadeira peregrinação das mulheres, às vezes de meses, até que consigam efetivar seu direito. A normativa publicada em junho de 2022 é um imenso retrocesso na área da saúde pública e institucionaliza o desrespeito a direitos fundamentais das meninas e das mulheres. A ABRASCO, o CEBES, a SBMFC e a ABEFACO se posicionam, portanto, em defesa do acesso à saúde com equidade e da atenção humanizada ao abortamento.