Saúde em Debate v. 46, n. especial 1: ‘Dois anos de pandemia: desafios para a saúde do século XXI’

Com o tema “Dois anos de pandemia: desafios para a saúde do século XXI”, a publicação traz o editorial “Ainda tem pandemia, mas há esperança”, assinado Ana Maria Costa, Arthur Chioro, Josué Laguardia e Regina Fernandes Flauzino, uma análise da situação atual da crise sanitária e os complexos desafios para o sistema de saúde brasileiro no futuro. No restante da edição, artigos sobre políticas públicas na gestão da pandemia em várias instituições de Estado, a saúde coletiva no enfrentamento da infodemia e das fake news, Práticas Integrativas e Complementares ofertadas pela enfermagem na Atenção Primária à Saúde, repercussões da Covid-19 na saúde mental de estudantes de ensino superior e professores, hesitação e recusa vacinal em países com sistemas universais de saúde, entre outros.

Editorial

Ainda tem pandemia, mas há esperança

Ana Maria Costa1,2, Arthur Chioro3, Josué Laguardia4, Regina Fernandes Flauzino5

  1. Centro Brasileiro de Estudos de Saúde (Cebes) – Rio de Janeiro (RJ), Brasil.
  2. Escola Superior de Ciências da Saúde (Escs) – Brasília (DF), Brasil.
  3. Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) – São Paulo (SP), Brasil.
  4. Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict), Laboratório de Informação em Saúde (LIS) – Rio de Janeiro (RJ), Brasil.
  5. Universidade Federal Fluminense (UFF), Instituto de Saúde da Comunidade (ISC), Departamento de Epidemiologia e Bioestatística (MEB) – Niterói (RJ), Brasil

TRANSCORRIDOS DOIS ANOS DESDE O INÍCIO DA PANDEMIA e após um ano de vacinação de segmentos da população, a situação global da Covid-19 ainda se apresenta sem perspectivas concretas de que essa doença será controlada em um curto período. A expectativa de que a vacinação mudaria os rumos da infecção foi confrontada com o aparecimento de uma nova variante, com a hesitação vacinal nos países mais ricos devido ao negacionismo e ao nacionalismo das vacinas e com a desigualdade no acesso aos imunizantes nos países mais pobres. Após 12 meses, o emprego de diferentes tipos e estratégias vacinais, a presença de taxas variáveis de infecção, recuperação, cobertura e eficácia vacinal transformaram o cenário imunológico atual, tornando-o mais diverso do que aquele do início da pandemia.

A Covid-19 ceifou milhões de vidas em todo o mundo, deixando a amarga constatação das desigualdades e da perversidade da ordem capitalista e das relações entre os países. Essas situações determinaram as díspares possibilidades dos governos em se mobilizar para, oportunamente, mitigar os impactos sociais, econômicos e sanitários da pandemia. Isso mostra a complexidade do ambiente global quando se analisam os fatos a partir da ética da solidariedade entre os países para colaborarem entre si, especialmente sabendo que não há controle da doença se não forem adotadas intervenções eficientes conjunta e indistintamente entre todos eles.

Em contrapartida, se as inovações no sistema de divulgação de conhecimento científico permitiram a celeridade no compartilhamento do conhecimento produzido, registrou-se não apenas a competição por equipamentos e insumos, mas também compras que excedem as necessidades desses insumos, como ocorreu com respiradores, Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e vacinas, comprometendo sobremaneira o acesso das populações dos países mais pobres.

As iniciativas de mitigação adotadas pelos governos resultaram de uma variedade de tensões e compensações que podem ser identificadas e localizadas entre as necessidades de saúde em nível nacional e global, os interesses privados nos lucros e na expansão da quota de mercado, a necessidade de eficiência na fabricação e na distribuição de ‘produtos Covid-19’, incluindo a disponibilidade equitativa e os interesses públicos ou coletivos em relação ao acesso universal ao diagnóstico, tratamento adequado e vacinas. Nesse campo de forças, os interesses coletivos e o compromisso sanitário nem sempre prevaleceram.

Fato é que, após 24 meses de duração, a pandemia ainda não acabou. O somatório de mortes decorrentes dela deixou de ser um fator que causa maiores alardes nos noticiários e nas redes sociais, seja pela naturalização da barbárie genocida nos países governados por líderes autoritários, seja pela sensação de fatalidade e abandono, especialmente nos países periféricos que convivem com altas taxas de violência em populações marginalizadas pela sociedade.

A vitoriosa corrida da ciência pelas vacinas possibilitou que diversos países alcanças sem níveis satisfatórios de cobertura, reduzindo a ocorrência de casos graves, internações e mortes. Entretanto, tanto pelo negacionismo quanto pelas concretas dificuldades de acesso aos imunizantes, apenas 62,3% da população mundial recebeu pelo menos uma dose da vacina contra a Covid-19. E de forma ainda mais preocupante, apenas 11,4% da população que vive em países de baixa renda recebeu pela menos uma dose do imunizante¹. Neste cenário marcado pelas desigualdades, o coronavírus, que é recombinante, segue seu percurso, com potencial para produzir novas variantes, cada vez mais infectantes. Enquanto esse padrão de iniquidade persistir, não haverá segurança sanitária.

No Brasil, o debate acerca da vacinação de crianças foi mais um elemento a acirrar os ânimos em um contexto conflagrado pela negligência do governo federal na comunicação de risco da pandemia e níveis elevados de desinformação que caracterizam a infodemia e a guerra semiótica travada nas redes sociais.

Os sistemas públicos e universais de saúde mostraram-se mais resilientes e mais bem preparados para lidar com uma situação de emergência em saúde pública. É o caso do Sistema Único de Saúde (SUS) que exibiu alta resiliência a despeito de políticas de privatização e desfinanciamento da saúde que, no Brasil, acentuaram-se desde o golpe de 2016. O enfrentamento da Covid-19 desnudou fortalezas e fragilidades do SUS que exigirão mudanças no modelo de atenção à saúde, fortalecendo o papel central da atenção básica na vigilância e no cuidado à saúde, incremento da rede hospitalar, os sistemas de vigilância e informação em saúde, integração das ações e fortalecimento da coordenação interfederativa, entre outras².

Em oposição às tentativas do governo federal de dificultar o acesso às vacinas, estados e municípios, ancorados em experiências passadas coordenadas pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI) e nos investimentos efetuados pelo SUS em laboratórios públicos (Instituto Butantã e Fiocruz), conseguiram implementar estratégias de vacinação que possibilitaram taxas crescentes de coberturas vacinais.

Assim, a despeito do elevado grau de adesão da população brasileira às vacinas, considerado exemplar pelos organismos internacionais, construído em quase meio século de investimentos em um robusto e exitoso PNI, na última semana de fevereiro/2022, apenas 71,8% da população possui protocolo vacinal completo (dose única ou duas doses) e 10,6% dela recebeu uma dose da vacina³. Isso significa que mais de 61 milhões de brasileiros, o que equivale à população total da Argentina e do Chile, estão ainda vulneráveis. Esse grupo de não vacinados ou com doses incompletas é formado, em parte, por negacionistas, mas é composto, na sua maioria, por crianças e idosos, pobres e com baixa escolaridade, muitos com comorbidades, vítimas de fake news ou da ausência de uma política de comunicação e educação em saúde.

Depois de alguns poucos meses de relativa calmaria, com estabilização dos coeficientes de incidência e de mortalidade, observou-se no Brasil, a partir da última semana de dezembro de 2021, a explosão de uma nova onda de casos, creditada à variante ômicron, que já se anunciava em outros países desde novembro.

Seu ingresso no País foi marcado novamente pelo despreparo das autoridades federais. Não foi possível contar com o sistema de informações em saúde do Ministério da Saúde, vitimado por um ataque atribuído a hackers no início de dezembro, que impôs o desafio de gerir a nova onda no escuro, sem informações seguras e que continua, após dois meses, operando ainda de forma precária. Os testes e os insumos mais uma vez foram insuficientes, pois o Ministério da Saúde não foi capaz de se preparar antecipadamente e provê-los em tempo útil, a despeito do alerta causado pela elevação estratosférica de casos no Hemisfério Norte. A rede de saúde, outra vez desprevenida, operou de novo sobrecarregada e os leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para Covid, que estavam desativados, demoraram a serem postos novamente em operação.

A variante ômicron produziu recordes de casos diários e comprometeu, dado o elevado mulheres, negros, comunidades indígenas, quilombolas, ribeirinhas, LGBTQIA+, desenharam marcas indeléveis que não podem ser olvidadas. A combinação de futuras crises sanitária, climática, ambiental e social exigirá uma mudança nas ações políticas que amplie e fortaleça os sistemas públicos de seguridade social, do SUS e, consequentemente, do próprio modelo de Estado. Sem isso, estaremos condenados à barbárie, à necropolítica e à desesperança dos mercados.

A variante ômicron produziu recordes de casos diários e comprometeu, dado o elevado número de afastamentos, o funcionamento da rede de saúde e de serviços essenciais. Os mais jovens e, em particular, as crianças menores, até então poupadas, foram afetados de maneira significativa. Em função da cobertura vacinal alcançada, a curva de óbitos não acompanhou a tendência explosiva da curva de casos – tal qual se observou nas ondas anteriores produzidas por outras variantes –, e mais de 90% dos casos graves, que resultaram em internações e óbitos, ocorreram entre não vacinados. A eficácia da vacina ficou comprovada, no Brasil e em outros países, a partir do elevado grau de proteção que conferiu aos imunizados.

Irresponsavelmente, o País perdeu a oportunidade de intensificar ainda mais a cobertura vacinal e proteger adequadamente a população contra a nova variante, inclusive as crianças entre 5 e 11 anos. O ministro da saúde lançou, no começo de dezembro do ano passado, uma ‘consulta pública’ para protelar o início da vacinação das crianças, já avalizada por comitês de especialistas, sociedades científicas e aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O principal objetivo da imunização em massa é proporcionar a prevenção coletiva, que só ocorre quando se obtêm elevados níveis de cobertura vacinal na população. Isso deveria se constituir em uma obsessão nacional, mas continua sendo tratado sob a égide da lógica negacionista e da submissão do Ministério da Saúde à contenção de gastos impostos pela área econômica e o Novo Regime Fiscal.

A disponibilização de vacinas para a população brasileira só foi possível graças aos movimentos de pressão política e ação estratégica efetuados por diversos atores, dentre os quais, destacam-se os gestores estaduais e municipais, o Congresso Nacional, a intervenção do Supremo Tribunal Federal em várias questões, os posicionamentos firmes do Conselho Nacional de Saúde, a denúncia feita por parte expressiva dos meios de comunicação, mas, sobretudo, pelo movimento da sociedade brasileira, que obrigou o governo federal, ainda que tardiamente, a agir e a disponibilizar o imunizante para o SUS.

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 no Senado Federal – CPI da Pandemia – cumpriu papel relevante no enfrentamento da doença, desnudando a real dimensão da tragédia que acometeu a população brasileira ao demonstrar que o governo federal adotou a tese da ‘imunidade de rebanho’, orientando sua conduta para expor, de forma deliberada e inconsequente, a população ao vírus, resultando em milhares de mortes evitáveis. Revelou que agentes públicos incompetentes se associaram a médicos, empresários, operadoras de planos de saúde, blogueiros, políticos e militares em um gabinete paralelo, para articular e financiar essa tese criminosa. A CPI da Pandemia obrigou o governo federal, ainda que tardiamente, a adquirir vacinas e a conter medidas obstrutivas à ação dos gestores infranacionais. Ajudou a abortar negócios escusos em curso, como a aquisição de vacinas e testes superfaturados. Comprovou a responsabilidade do governo Bolsonaro no genocídio dos povos indígenas, no colapso do sistema de saúde amazonense, nos negócios envolvendo ‘tratamento precoce’ e uso de medicamentos comprovadamente sem eficácia e segurança. Além disso, escancarou o modus operandi pelo qual empresários de planos de saúde misturaram negócios, negacionismo e reacionarismo político para sustentar as teses fascistas do presidente, gerando lucros estratosféricos, sem que as agências reguladoras e outros órgãos de Estado cumprissem seu papel primordial de defender o interesse público4.

O Brasil nunca mais será o mesmo diante do luto e do trágico legado de cerca de 30 milhões de casos notificados e mais de 650 mil mortes por Covid-19. As omissões das autoridades governamentais e do seu negacionista fascista, que impactaram de maneira desigual as vidas de mulheres, negros, comunidades indígenas, quilombolas, ribeirinhas, LGBTQIA+, desenharam marcas indeléveis que não podem ser olvidadas. A combinação de futuras crises sanitária, climática, ambiental e social exigirá uma mudança nas ações políticas que amplie e fortaleça os sistemas públicos de seguridade social, do SUS e, consequentemente, do próprio modelo de Estado. Sem isso, estaremos condenados à barbárie, à necropolítica e à desesperança dos mercados.

Nesse contexto, impõe-se um amplo debate nacional capaz de politizar a sociedade, partidos políticos, trabalhadores e movimentos sociais sobre a importância de um pacto que garanta a saúde como direito social e a defesa do sistema universal. São complexos os desafios para o sistema de saúde brasileiro, para os quais se apresentam aqui cinco diretrizes estruturantes tal como imagens-objetivo, como contribuição ao debate nacional em torno do futuro da saúde e do SUS em nosso País:

  1. Saúde é o direito de viver bem

Para ter saúde como um bem comum, é preciso que a população tenha condições dignas de vida, com moradia, segurança alimentar, saneamento básico, renda, emprego, previdência, lazer, educação, segurança pública e paz. Estas dependem da adoção de diversas políticas públicas e da ação do governo para a redução das desigualdades com inclusão social e preservação do meio ambiente. As necessidades populares incluem a proteção e o amparo pelo Estado de todos que vivem em situação de vulnerabilidade.

  1. Investir em saúde é fundamental para a soberania nacional e o desenvolvimento econômico

Para isso, é preciso ampliar investimentos e fortalecer a ciência, a pesquisa e a inovação tecnológica, garantindo a autonomia do País no suprimento das necessidades e, ao mesmo tempo, aumentando a participação do setor na geração de empregos e no desenvolvimento
nacional.

  1. O SUS é imprescindível para cuidar das pessoas e promover a cidadania

O SUS precisa se tornar o melhor plano de saúde para o povo brasileiro, inclusive os que hoje gastam muito com o mercado da saúde. É muito importante ampliar a consciência de que a saúde é um direito, e o SUS, um patrimônio em defesa da vida dos brasileiros. O SUS é uma política social de Estado, mas há enorme diferença quando os governos lhe dão prioridade e importância, garantindo seu caráter público, universal e de qualidade.

  1. É preciso garantir financiamento adequado para o SUS

Com mais recursos, o governo tem que se comprometer a garantir o acesso e a qualidade dos serviços para a população. Com mais recursos, será possível também ampliar a força de trabalho do SUS, realizar concursos e criar carreiras profissionais que dignifiquem e estimulem os trabalhadores da saúde. Além disso, garantir equipamentos, medicamentos e demais insumos necessários para a qualidade dos serviços. É preciso, por outro lado, aperfeiçoar também a gestão do sistema e dos serviços, aprimorando os mecanismos de controle, fiscalização e de participação social.

  1. Saúde é democracia, e não há saúde sem o enfrentamento das iniquidades e justiça social

Não se pode tolerar qualquer forma de discriminação (classe social, raça, cor, religião, ideologia, gênero e orientação sexual). É inadmissível que, quando uma pessoa precise de atenção e de cuidado, haja qualquer restrição de acesso. Por isso, deve ser um compromisso do governo o combate ao preconceito e à discriminação, bem como a garantia de que as portas estarão abertas, que se empreenderão esforços para o fim das filas de espera por tratamento, cirurgias e consultas, e que todos e todas serão tratados na saúde com prontidão, respeito e dignidade.

Nos marcos de uma sociedade que considera a saúde um direito social, pautada pela observância de direitos fundamentais, democracia, justiça e solidariedade, é imperioso que o processo saúde-doença seja enfrentado a partir de seu processo de determinação social, econômica e cultural, transformando a saúde como elemento central no desenvolvimento do País.

É fundamental que o debate sobre o futuro da saúde envolva todos os segmentos da sociedade, para além das formulações e contribuições que historicamente as entidades e os militantes do movimento da reforma sanitária têm sido capazes de produzir. A pandemia da Covid-19 abriu a possibilidade de colocar o direito à saude e o SUS no centro do debate político. A hora é agora. Ainda tem pandemia, mas há esperança!

Referências

  1. Ritchie H, Mathieu E, Rodés-Guirao L, et al. Coronavirus Pandemic (Covid-19). [Local desconhecido]: Our World in Data; 2020. [acesso em 2022 fev 22]. Disponível em: https://ourworldindata.org/coronavirus.
  2. Massuda A, Malik AM, Vecina Neto G, et al. A resiliência do Sistema Único de Saúde frente à Covid-19. Cad. EBAPE.BR. 2021 [acesso em 2022 fev 25];19(esp):735-744. Disponível em: https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/cadernosebape/article/view/84344/79919.
  3. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Painel Nacional: Covid-19. Brasília, DF: CONASS; [2022]. [acesso em 2022 fev 22]. Disponível em: https://www.conass.org.br/painelconasscovid19/.
  4. Brasil. Senado Federal. Relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito sobre a Pandemia. Brasília, DF: Senado Federal; 2021. [acesso em 2022 fev 22]. Disponível em: https://legis.senado.leg.br/comissoes/mnas?codcol=2441&tp=4.

SUMÁRIO

EDITORIAL
Ainda tem pandemia, mas há esperança | por Ana Maria Costa, Arthur Chioro, Josué Laguardia, Regina Fernandes Flauzino

ARTIGO ORIGINAL
Gerenciando o SUS no nível municipal ante a Covid-19: uma análise preliminar | por Renato Tasca, Mariana Baleeiro Martins Carrera, Ana Maria Malik, Laura Maria César Schiesari, Alessandro Bigoni, Cinthia Ferreira Costa, Adriano Massuda

Legislativo e Executivo na pandemia de Covid-19: a emergência de uma conjuntura crítica federativa? | por Assis Luiz Mafort Ouverney, Fernando Manuel Bessa Fernandes

Decisões do Supremo Tribunal Federal no início da pandemia de Covid-19: impactos no federalismo brasileiro? | por Fernando Manuel Bessa Fernandes, Assis Luiz Mafort Ouverney

Os governos estaduais no enfrentamento da Covid-19: um novo protagonismo no federalismo brasileiro? | por André Luís Bonifácio de Carvalho, Edjavane Rocha, Roberta Fonseca Sampaio, Assis Luiz Mafort Ouverney

Concepções de adultos e idosos brasileiros sobre a pandemia da Covid-19 e suas interfaces sociais e políticas | por Juliana Guimarães e Silva, July Grassiely de Oliveira Branco, Cesario Rui Callou Filho, Ana Paula Vasconcellos Abdon, Carlos Antonio Bruno da Silva, Aline Veras Morais Brilhante

Quando não é possível deixar de informar: o processo de trabalho de jornalistas durante a pandemia da Covid-19 | por Beatriz Joia Tabai, Taylon Batista dos Santos, Jandesson Mendes Coqueiro

O primeiro Curso Aberto, On-line e Massivo (Mooc) sobre Covid-19 e iniquidades no Brasil: potências da saúde coletiva no enfrentamento da infodemia e das fake news | por Daniel Canavese de Oliveira, Tatiana Engel Gerhardt

Vigilância em Saúde no âmbito da atenção primária para enfrentamento da pandemia da Covid-19: revisão documental | por Jésus Enrique Patiño-Escarcina, Maria Guadalupe Medina

Vínculo longitudinal da Estratégia Saúde da Família na linha de frente da pandemia da Covid-19 | por Amanda Cavalcante Frota, Ivana Cristina de Holanda Cunha Barreto, André Luís Bonifácio de Carvalho, Assis Luiz Mafort Ouverney, Luiz Odorico Monteiro de Andrade, Nádia Maria da Silva Machado

Práticas Integrativas e Complementares ofertadas pela enfermagem na Atenção Primária à Saúde | por Erika Cardozo Pereira, Geisa Colebrusco de Souza, Mariana Cabral Schveitzer

Perspectiva do paciente sobre a assistência à saúde no contexto da Covid-19 | por Juliana Loureiro da Silva Queiroz Rodrigues, Vanessa Cristina Felippe Lopes Villar, Sabrina da Costa Machado Duarte, Claudia Dolores Trierweiler Sampaio de Oliveira Corrêa, Erika Cardoso dos Reis, Letícia Janotti

Adesão ao isolamento social na pandemia de Covid-19 entre professores da educação básica de Minas Gerais, Brasil | por Cássio de Almeida Lima, Celina Aparecida Gonçalves Lima, Ana Júlia Soares Oliveira, Priscylla Guimarães Silva, Wesley Miranda Lourenço de Freitas, Desirée Sant’Ana Haikal, Rosângela Ramos Veloso Silva, Marise Fagundes Silveira

Prácticas de salud/salud mental y producción de cuidado durante la pandemia de Covid-19 | por Claudia Bang, Viviana Lazarte, Federico Agustin Chaves, Mariana Casal

Covid-19: Repercussions on the mental health of higher education students | por Eliany Nazaré Oliveira, Maristela Inês Osawa Vasconcelos, Paulo César Almeida, Paulo Jorge de Almeida Pereira, Maria Socorro Carneiro Linhares, Francisco Rosemiro Guimarães Ximenes Neto, Joyce Mazza Nunes Aragão

Adesão às normas de biossegurança para Covid-19 entre profissionais de saúde bucal em Ponta Grossa-PR | por Manoelito Ferreira Silva Junior, Felipe Bittarello, Elis Carolina Pacheco, Letícia Simeoni Avais, Renata Cristina Soares, Eduardo Bauml Campagnoli, Márcia
Helena Baldani

Contracepção Reversível de Longa Duração (Larc): solução ideal para tempos pandêmicos? | por Elaine Reis Brandão

ENSAIO
Vacina contra Covid-19: arena da disputa federativa brasileira | por Sonia Fleury, Virgínia Maria Dalfior Fava

Distanciamento social durante a pandemia da Covid-19 e a crise do Estado federativo: um ensaio do contexto brasileiro | por Thalyta Cassia de Freitas Martins, Raphael Mendonça Guimarães

A ficcionalização em meio à Covid-19 | por Camila Zedu Alliprandini, Marcos Nalli

Pandemia do coronavírus (2019-nCoV) e mulheres: efeitos nas condições de trabalho e na saúde | por Érica Renata Souza, Érica Dumont-Pena, Laís Barbosa Patrocino

REVISÃO
Hesitação e recusa vacinal em países com sistemas universais de saúde: uma revisão integrativa sobre seus efeitos | por Roberta Nobre, Lúcia Dias da Silva Guerra, Leonardo Carnut

Desigualdades da oferta hospitalar no contexto da pandemia da Covid-19 no Brasil: uma revisão integrativa | por Priscilla Paiva Gê Vilella dos Santos, Ricardo Antunes Dantas de Oliveira, Mariana Vercesi de Albuquerque

Impactos da Covid-19 à luz dos marcadores sociais de diferença: raça, gênero e classe social | por Herifrania Tourinho Aragão, Jessy Tawanne Santana, Guilherme Mota da Silva, Milenna Freitas Santana, Larissa Nascimento Mota da Silva, Millena Luize de Lima Oliveira, Cláudia Moura de Melo

Ciência Aberta, acesso aberto: revisão de literatura da comunicação científica sobre Covid-19 na plataforma SciELO (2020) | por Ketlen Stueber, Filipe Xerxeneski da Silveira, Maria do Rocio Fontoura Teixeira

Agentes Comunitárias de Saúde na pandemia de Covid-19: scoping review | por Lívia Milena Barbosa de Deus e Méllo, Romário Correia dos Santos, Paulette Cavalcanti de Albuquerque

Fatores associados ao burnout em profissionais de saúde durante a pandemia de Covid-19: revisão integrativa | por Juliana Pontes Soares, Nathalia Hanany Silva de Oliveira, Tatiana de Medeiros Carvalho Mendes, Samara da Silva Ribeiro, Janete Lima de Castro

RELATO DE EXPERIÊNCIA
O medo ao cuidar: reflexões sobre uma experiência de educação permanente em tempos de Covid-19 | por Helvo Slomp Junior, Mirani Cristina de Barros, Isabela Barboza da Silva Tavares Amaral, Fernanda Pereira de Paula Freitas, Emerson Elias Merhy, Clarissa Terenzi Seixas

Rede de Informações e Comunicação sobre a Exposição de Trabalhadores/Trabalhadoras ao Sars-CoV-2 no Brasil | por Camila Henriques Nunes, Ana Luiza Michel Cavalcante, Augusto de Souza Campos, Eliana Napoleão Cozendey-Silva, Rita de Cássia Oliveira da Costa Mattos, Maria Juliana Moura-Correa, Liliane Reis Teixeira

Acesse a publicação na íntegra no formato PDF:


Anexos